História

No dia 3 de novembro de 1952, as famílias Macário e Oliveira se unem para fundar a azul e branco de São João de Meriti. A partir de 1954 a agremiação passou a desfilar no município e a estreia já lhe rendeu a conquista do primeiro campeonato. Ali nascia uma agremiação promissora, fruto de uma comunidade aguerrida e empenhada em realizar desfiles inesquecíveis. Tanto é que nos dois anos seguintes a Ponte se manteve no pódio, saindo vitoriosa dos carnavais de 1955 e 1956.

Na vanguarda da administração das escolas de samba, o GRES Unidos da Ponte foi a primeira agremiação fundada e presidida por uma mulher, a excelentíssima Carmelita Brasil. Em 1957, por iniciativa da mesma, a escola registrou seus estatutos filiando-se à AESCRJ. Um verdadeiro divisor de águas para a história da Ponte que passou a desfilar na cidade do Rio de Janeiro. De 1959 a 1964 os enredos e sambas-de-enredo foram de autoria de Carmelita Brasil.

No ano de 1979, Édson Tessier foi eleito presidente.Com a colaboração de antigos dirigentes e com ajuda de novos adeptos, imprimiu um ritmo dinâmico à agremiação. Transferiu a quadra do bairro de São Mateus para o centro do município e conseguiu levar a escola ao grupo principal em 1983, pela primeira vez. Em 1984, a escola foi rebaixada; e em 1985, com o título do Grupo 1-B, voltou ao grupo principal em 1986, posição em que se manteve até 1989.

Em 1992, ainda com Tessier como presidente, a escola foi vice-campeã do então Grupo 1, e voltou ao Grupo Especial no ano seguinte até 1996, totalizando assim 10 participações nesse grupo.

Em 1995, exaltando o estado do Paraná, a escola trouxe alas de índios e de imigrantes (portugueses, alemães, poloneses, italianos, ucranianos, holandeses, sírio-libaneses, suíços, ingleses, israelenses, africanos e japoneses) que imitando a gralha, fecundaram os campos do Estado, recobrindo-os com o verde das plantações de trigo, algodão, café e soja. A bateria vestida de tropeiros foi o destaque. Comandadas por Mestre Pelé, ex-Beija-Flor, os ritmistas ajudaram a escola a conquistar o estandarte de ouro de melhor bateria.

No Grupo A, amargou em 1999 o primeiro rebaixamento para o Grupo B, o que foi algo inusitado pois naquele ano a escola seria rebaixada duas vezes seguidas no mesmo ano: algumas semana antes do Carnaval a Ponte conseguiu uma liminar que a autorizava a desfilar no Grupo Especial, o que fez a AESCRJ promover a Cabuçú para ocupar o seu lugar.

Porém, poucos dias antes do desfile a liminar foi derrubada e a escola teve que ser a última desfilar no Grupo A. Com uma escola a mais do que o previsto, o desfile, inicialmente previsto para a noite, foi realizado sob o sol forte das 8 da manhã, o que prejudicou bastante e fez a escola acabar rebaixada de novo.

A Ponte ainda voltou ao Segundo Grupo no ano seguinte, mas em 2003, foi novamente rebaixada para o terceiro grupo. Em 2004, homenageou o centenário do tradicional America Football Club (clube favorito do presidente Tessier), no enredo “America cem anos de paixão”; já em 2005, a no mesmo grupo, a Unidos da Ponte reeditou seu enredo “E eles verão a Deus”, de 1983, ano em que a escola desfilou pela primeira vez no desfile principal.

Em 2006, sob a presidência de Sidnei Carriuolo Antônio, a escola apostou em uma nova reedição, agora no seu enredo de 1992, “Da Cor do Pecado”, que lhe rendera o acesso ao Especial de 1993. Mas, ao contrário do sucesso de 14 anos antes, a Unidos da Ponte enfrentou diversos problemas em seu desfile, com pouquíssimas alegorias e alas e seus componentes atrasados, amargando assim a última posição no Grupo B, sendo assim rebaixada para o Grupo C.

Depois dessa queda, Édson Tessier retornou ao comando da escola. Naquela época, estava sediada já no município do Rio de janeiro, no bairro da Pavuna. Édson Tessier levou a sede da escola novamente para bairro de origem. Em 2007, obteve a quarta colocação.

Em 2010, apresentou o enredo sobre a história do fotógrafo Augusto Malta, terminando na 9º colocação.

No ano de 2011, a agremiação apostou no enredo Orixás do carnavalesco Ricardo Paulino, uma releitura do enredo de 1973. Nesse ano, não promoveu eliminatória de samba enredo, mas encomendou uma composição aos compositores Grillo, Peniche e Fernandão. Trouxe também novo casal de mestre-sala e porta-bandeira: Diego Oliveira e Stefany, terminando na 11ª colocação.

Em 2012, a Ponte reeditou o enredo “Vida que te quero viva”, de 1989, efetivando como intérprete, Anderson da Vila.

Em 2013, com novo retorno de Édson Tessier à presidência perdeu 2 pontos em obrigatoriedades. E ainda durante o Carnaval 2013, a escola perdeu sua quadra, no bairro de São Mateus. tendo que fazer ensaio no Social Clube Meriti, aonde também ensaia a Matriz de São João. Após o Carnaval, a Unidos da Ponte voltou a ter uma mulher como presidente, com a eleição de Dayse Martins. Uma vez eleita, a nova presidente anunciou a contratação do intérprete Lico Monteiro, que estava na Caprichosos. Meses depois, no entanto, Dayse foi substituída na presidência pelo compositor da Beija-Flor, Serginho Aguiar.

A apresentação da nova equipe, além do novo presidente e enredo foi no dia 23 de Setembro de 2013, no Centro Cultural Meritiense. Em 14 de Dezembro realizou a sua escolha de samba-enredo, com a apresentação da rainha e princesa da bateria. Há poucas semanas do desfile, Lico Monteiro se desligou da função de intérprete principal, alegando atraso no salário.

O ano de 2015 marcou a volta da escola à sua quadra tradicional, no bairro de São Mateus. O presidente Serginho acabou sendo retirado do cargo antes do fim do mandato, e Gustavo Barros assumiu a presidência da escola, tendo Tião Pinheiro como vice. Já com o preparo do carnaval da escola em andamento, a nova diretoria promoveu diversas mudanças nos segmentos. Com o enredo “Africanidades: Do continente negro à pequena África… Nossa identidade cultural” a escola obteve o 9° lugar.

Para o carnaval de 2017, a escola renovou com seu intérprete Lico Monteiro e com seu carnavalesco André Wonder, que desenvolveu o enredo “Roberto Ribeiro, O Menino Rei” que homenageando o cantor e compositor no vigésimo aniversário de morte. A agremiação obteve o oitavo lugar no desfile final.

01020305 

Entre em Contato

Você têm uma pergunta ou quer participar da nossa escola? Então nós envie uma mensagem. A gente responde logo.

10 + 10 =

GRES Unidos da Ponte

Quadra

C.E. Professor Murilo Braga R. Roberto Bedran, S/Nº - Centro São João de Meriti

Barracão

Via Binário, 960, Rio de Janeiro  (RJ)